Aída

“Mulher de gosto”, assim sempre diziam. Nesse quesito, Aída, com seu nome de ópera, era unanimidade. Questão congênita:  ainda semente de gente, ingeriu em excesso o líquido amniótico que a envolvia. O incidente deixou sequelas permanentes: nascera com papilas gustativas super desenvolvidas e, assim, foi-lhe conferida a extrema capacidade de degustar tudo na vida.

Bem pequena, Aída  já saboreava auroras orvalhadas na montanha, engolia salgados entardeceres à beira-mar e devorava céus estrelados no campo. Rechonchuda, com cara de sapeca se desculpava por sua mania de comer flores e arrotar vastas pradarias. Caçava borboletas para bebericar as cores. Brincando de comidinha, preparava iguarias. Sua especialidade era o guisado de canto dos passarinhos. Mas, desde a mais tenra idade, seu petisco preferido era mesmo a liberdade.

Adolescente, com o apetite de mundo agigantado por hormônios indomáveis, se empanturrava de nuvens. Mascava a chuva, chupava o sol e se embriagava de lua. Numa noite dessas, trocando as pernas, desenvolveu uma curiosa predileção por abocanhar vaga-lumes. O estranho hábito dividiu opiniões: alguns davam de ombros, pois entendiam a excentricidade como mais um capricho de seu estômago indisciplinado. Outros lançavam o palpite: a menina, ambiciosa, queria iluminar-se pelo avesso. Interpelada a respeito, Aída apenas declarava que, em se tratando de vaga-lumes, era impossível comer só um.

Até que um dia, já adulta, sem querer veio o comedimento. Brotou, infeliz, com a notícia de uma triste partida que, de repente, fez de Aída alguém sem volta. Engasgou-se com a separação fatal e repentina. Incapaz de digerir saudade, perdeu a fome e, em seu lugar, surgiu outra pessoa, perdida e doída. Puída e aturdida. Roída, ferida.

Mas, com o passar do tempo aplacou-se o sofrimento e Aída reaprendeu a degustar, com requinte, o vento. E numa dessas tardes distraídas, ao engolir suaves e inofensivas brisas, sem querer sorveu um doce momento. Ingeriu perdidamente uma paixão flambada que a fez queimar a língua e, na garganta, multiplicar palavras inflamadas. Com ardor no peito e ventre em chamas, ela amou feito o diabo.

E do amor explodiu uma nova Aída, ainda mais faminta de vida…

Anúncios

Quando o barro não se fez carne*

Deixa eu te dizer: não acredito na pré-existência do que quer que seja. Há, sim, um nada anterior a qualquer coisa, que fica na espreita, esperando que da sua condição de pó se erga uma humanidade inteira. Não me iludo com paixões por esse pó que ainda não é, mas confesso minha vaidade de ter acreditado no poder de criar o paraíso a partir de um naco do teu corpo misturado no meu. Porque não se engane, os meus amores perfeitos são sempre os extraídos da matéria-prima preexistente em mim. Contradições…

Houve um tempo em que não quis morada fixa porque na errância encontrei o substrato para muitas vidas. Também desisti de terapias porque minhas neuroses, obsessões e dramas me provocavam a dose de desespero exata para que eu não morresse de tédio. Porque a falta – de casa, de pais, de dinheiro, de juízo e de amores –, minhas ausências todas eu transformei em impulso vital, ainda que eu ignore onde isso vai dar. Mas é só com alma de renunciante, de trapo sem-teto, órfão e pobre, que me revisto daquela força conhecida dos que não têm o que perder. E se, por acaso, eu encontrar a fonte de tudo, pode ter certeza que, na minha sede eterna, me jogo e não volto nunca mais.

Olha, já entendi que a gente não vai se encontrar nessa vida, porque um dia eu resolvi que precisava experimentar muito, eu pus o pé na estrada e quebrei a tábua, e agora eu te vejo lá longe no teu caminho que nem no infinito vai esbarrar no meu, exacerbação dos nossos paralelismos, e compreendo que não tenho o direito de querer que você venha correndo ao meu encontro, e jamais te pediria para viver às pressas e deixar incompletos pedaços de existência fundamentais só para alimentar meus caprichos de mulher.

Vá, sim, siga o rumo e perca em paz tuas botas. Eu nunca te acusei e, na verdade, é grande a minha gratidão pelo teu desejo parco e frouxo, forte o bastante para me lembrar do pó de pura ilusão que me constitui, para me dissolver e, assim, me reinventar.


* publicado aqui em 26/03/2009

preces soltas por aí

pensei dia desses numa coisa que te disse em certa ocasião:  todas as vezes em que mergulhei em mim, encontrei você. lembro que cheguei a essa conclusão em uma noite olhando a lua da janela da minha sala. nunca mais esqueci dessa intuição e ela me conforta. quando me encontro, te encontro, e o mundo me sorri. o que me desanima é que esses encontros nunca são permanentes, há sempre um algo ou um outro que aparece para bagunçar meus eixos e colocar na corda bamba os meus frágeis pontos de equilíbrio. não digo isso em tom de queixa, pois assim, pleno de movimento,  deve ser tudo que é vivo, belo, natural e instintivo. mas o fato é que ainda não aprendi a equilibrar o copo de café quando o trem dá a partida.

E-mail do papai

Enviado no sábado, dia 2 de maio.

Gi,
cadê você?
Já lhe telefonei…Já deixei mensagens no seus celulares
e você nada literalmente(pra não dizer outra coisa)(rsrsrs).
 
Foi-se o tempo que o papai ficava desesperado quando a
filha possuída da síndrome da invisibilidade ou do fenômeno
da desmaterialização do seu próprio corpo físico desaparecia
da frente dele e só era encontrada minutos depois atrás da
catraca da roleta do Metrô, debaixo da mesa de um funcionário
de um Banco ou numa festa infantil estranha, lembra?…
Pois é, já estou bastante imunizado(rsrs) e você bastante adulta
para lidar com seus próprios fenômenos paranormais, não acha?
 
Por via das dúvidas estarei rezando e pedindo a Deus para
que nada de ruim tenha lhe acontecido.  É só o que posso fazer
no momento.
 
Estou, daqui a pouco, indo para Rio Preto esperando que por aqui
as coisas fiquem menos pretas(rsrsrs).
Meus telefones de contato:8281-1497 e 7633-0095
 
Um beijo do pai, Artur.

“Gi,

cadê você?

Já lhe telefonei, já deixei mensagens no seus celulares e você nada literalmente (pra não dizer outra coisa). Foi-se o tempo que o papai ficava desesperado quando a filha possuída da síndrome da invisibilidade ou do fenômeno da desmaterialização do seu próprio corpo físico desaparecia da frente dele e só era encontrada minutos depois atrás da catraca da roleta do Metrô, debaixo da mesa de um funcionário de um Banco ou numa festa infantil estranha, lembra?

Pois é, já estou bastante imunizado e você bastante adulta para lidar com seus próprios fenômenos paranormais, não acha? Por via das dúvidas estarei rezando e pedindo a Deus para que nada de ruim tenha lhe acontecido.  É só o que posso fazer no momento.

Um beijo do pai,  Artur”

28 dias de café – parte 5: “Sobre saudades oceânicas e rotas desiguais”

Sempre achei que devia existir uma razão sublime para que eu tivesse desde muito cedo me separado de pessoas fundamentais na minha vida. Começou com os amigos da escola, considerando que dos 10 aos 16 anos estudei em seis colégios diferentes, sendo que em apenas um permaneci por dois anos consecutivos. Os motivos para as minhas mudanças foram diversos – como dificuldades financeiras, vontade de acompanhar os colegas da vizinhança ou a decisão de ter uma formação técnica – mas jamais estiveram relacionados à um mau rendimento, muito pelo contrário, nem à mudança de residência.

No início da vida universitária, o tempo de permanência até diminuiu: cursei um semestre de geografia na Uerj, abandonei porque preferi fazer jornalismo na Uff, onde estudei um semestre antes de trancar a matrícula e viajar para Israel.

Depois, apesar da minha felicidade por regressar ao Brasil, meses se passaram até que eu me recuperasse do efeito da experiência do Kibbutz, das andanças em Israel e no Egito. Durante muito tempo foi difícil coincidir o lugar do meu corpo, “preso” no início de vida universitária e no longo caminho que ela representava, e o da minha cabeça, que se concentrava na saudade que sentia de pessoas agora espalhadas pelo mundo e na necessidade de novos vôos. Naquela época pré-skype, as contas de telefone com chamadas para Inglaterra não raro geravam aborrecimentos para o meu pai.

Depois disso, afastamentos ainda mais difíceis aconteceram. Em 2003, minha irmã resolveu constituir família na Holanda, contrariando assim o antigo plano de sermos vizinhas quando casadas. Pelo menos ela manteve parte do acordo, que previa também um quarto de hóspedes na casa de cada uma, e esse fato me garantiu um pouso na cidade que viria a se tornar o meu centro mágico no mundo: Amsterdam.

Suportei com dificuldade também a partida da minha melhor amiga para Londres, em março de 2006, e a dor de me ver separada da Déia, com quem compartilhei praticamente todos os meus momentos felizes dos anos anteriores, definitivamente resultou em algo positivo: em agosto daquele mesmo 2006, parti rumo à Europa para o que deveria ser uma viagem de 50 dias e acabou se transformando em um período de três meses…

(e continua…)

Quando o barro não se fez carne

Deixa eu te dizer: não acredito na pré-existência do que quer que seja. Há, sim, um nada anterior a qualquer coisa, que fica na espreita, esperando que da sua condição de pó se erga uma humanidade inteira. Não me iludo com paixões por esse pó que ainda não é, mas confesso minha vaidade de ter acreditado no poder de criar o paraíso a partir de um naco do teu corpo misturado no meu. Porque não se engane, os meus amores perfeitos são sempre os extraídos da matéria-prima preexistente em mim. Contradições…

Houve um tempo em que não quis morada fixa porque na errância encontrei o substrato para muitas vidas. Também desisti de terapias porque minhas neuroses, obsessões e dramas me provocavam a dose de desespero exata para que eu não morresse de tédio. Porque a falta – de casa, de pais, de dinheiro, de juízo e de amores –, minhas ausências todas eu transformei em impulso vital, ainda que eu ignore onde isso vai dar. Mas é só com alma de renunciante, de andrajo sem-teto, órfão e pobre, que me revisto daquela força conhecida dos que não têm o que perder. E se, por acaso, eu encontrar a fonte de tudo, pode ter certeza que, na minha sede eterna, me jogo e não volto nunca mais.

Olha, já entendi que a gente não vai se encontrar nessa vida, porque um dia eu resolvi que precisava experimentar muito, eu pus o pé na estrada e quebrei a tábua, e agora eu te vejo lá longe no teu caminho que nem no infinito vai esbarrar no meu, exacerbação dos nossos paralelismos, e compreendo que não tenho o direito de querer que você venha correndo ao meu encontro, e jamais te pediria para viver às pressas e deixar incompletos pedaços de existência fundamentais só para alimentar meus caprichos de mulher.

Vá, sim, siga o rumo e perca em paz tuas botas. Eu nunca te acusei e, na verdade, é grande a minha gratidão pelo teu desejo parco e frouxo, forte o bastante para me lembrar do pó de pura ilusão que me constitui, para me dissolver e, assim, me reinventar.

Adaptação

Às vezes tenho a sensação de que o ápice da criação é o princípio do clichê. Quem faz algo inovador, mesmo que esteja livre da hostilidade de seus contemporâneos, ainda assim corre um risco: o de ter sua imagem pra sempre aprisionada em uma criação.

Gosto dos heterônimos. Ouvi dizer que os artistas japoneses são os mais afeitos à idéia de mudar de nome para tentar inibir essa necessidade humana de a tudo rotular como forma de “domar” um universo em constante movimento.

Amor tem disso também. No momento do encontro há boas doses de futuros motivos para o desencontro. Uma simples vontade de mudança de um vira o desespero do outro.

O mundo está cheio de pessoas pouco afeiçoadas a transformações.

Dispersão de público alvo*

Véspera de feriado, quarta-feira com cara de sexta, decido sair com os amigos. Fico na dúvida em relação ao que vestir. Sabe quando mulher quer se sentir bonita? Pois então, ontem parecia ser meu dia. Experimento várias roupas, mas demoro até me dar por satisfeita. Na primeira tentativa, me sinto conservadora. Depois, ousada. Mulher fatal, Lolita. Muito casual, emperiquitada demais. Até que, enfim, me aprovo. Sóbria, de preto, um casaco de uma outra cor para quebrar um pouco. Blusa com decote sutil, bem feminina, nada vulgar. Dou um trato nas madeixas. Pouca maquiagem muito discreta. E pronto.

Saio e espero no local onde passariam para me buscar. Estou eu, maravilhosa, na rua, até que reconheço de longe o carro, que vem encostando, na minha direção. “Chegaram”, penso. Aí, resolvo bancar a engraçadinha: dou uma requebrada, coloco a mão direita na cintura, o dedo esquerdo na boca, faço biquinho e pisco os olhinhos. Sai de dentro do automóvel um cara que nunca vi mais gordo e me diz que me leva pra onde eu quiser. Minha alma se ausenta do meu corpo e volta a tempo de eu pedir desculpas por ter confundido os veículos absolutamente idênticos – e quantos outros não há?

Três minutos depois, entro no carro certo. A noite mal começou e eu já garantindo meu lugar de piada. Tudo bem, afinal, ainda me sinto ótima. Estacionamos, não muito perto, pela dificuldade de encontrar vagas. Começamos a andar, a chuva resolve voltar. Pras cucuias o capricho com os cabelos. Por fim, sentamos num bar e, como está abafado lá dentro, eu, já ligeiramente desgrenhada, tiro o casaco e penso que nem tudo está perdido: resta o meu decote.

Papo vai, papo vem, eu deixo o meu celular na mesa, porque espero uma ligação. Aliás, a ligação já está uma hora atrasada. Por fim, o telefone toca. Ufa! E eu achando que ia levar uma volta. Em cinco minutos ele chega, bêbado, sem a menor capacidade de distinguir o meu decote do avental do garçom. Em compensação, também não pode notar que estou descabelada, com a pouca maquiagem borrada e a calça manchada de molho madeira do filet mignon que devorei enquanto esperava por ele.

Na mesa ao lado, há um grupo de sete, a faixa etária média é de uns 45 anos, mas tem gente de seus 60. Avisto, depois, alguém em torno dos 30. Reparo que não param de me olhar. Será que isso se deve ao fato de eu estar desgrenhada e suja de molho madeira? Que nada. As mesas estão muito próximas, alguém segura no meu braço, sem que seja necessário levantar da cadeira, e me diz, olhando bem pro meu decote: “há, nessa mesa, três pessoas interessadas em você. Por que não nos dá seu telefone?”. Com uma olhada rápida, descubro de onde parte o interesse. Eu nem tinha reparado, mas há dois casais ali. Ou seja, o restante está me querendo.

Solto uma risadinha meio sem jeito, tentando ser simpática, mas não dou o número. Fico bastante impressionada com a ousadia. Perguntam meu nome, eu educadamente respondo, e me viro de novo para escutar o que o meu companheiro bêbado está dizendo, porque ele não pára mais de falar. Dali a três minutos, o pessoal da mesa ao lado me chama outra vez. Pedem licença ao cavalheiro embriagado que me acompanha e me entregam um papel, com quatro números de celular (pelo visto, um dos casais não é tão sério quanto imaginei) e quatro nomes: Sônia, Malu, Beth e Verônica. Junto, um convite para uma festa GLS num clube em Copacabana. Agradeço a gentileza e peço a conta.

O bêbado mora ali por perto, vai andando pra casa, e – que sorte! – eu nem preciso carregá-lo.

———————————-

*Repostagem de antigas histórias. “Dispersão de público alvo” foi originalmente publicado no Digerindo…, no dia 26 de maio de 2005.

Dispersão de público alvo

Véspera de feriado, quarta-feira com cara de sexta, decido sair com os amigos. Fico na dúvida em relação ao que vestir. Sabe quando mulher quer se sentir bonita? Pois então, ontem parecia ser meu dia. Experimento várias roupas, mas demoro até me dar por satisfeita. Na primeira tentativa, me sinto conservadora. Depois, ousada. Mulher fatal, Lolita. Muito casual, emperiquitada demais. Até que, enfim, me aprovo. Sóbria, de preto, um casaco de uma outra cor para quebrar um pouco. Blusa com decote sutil, bem feminina, nada vulgar. Dou um trato nas madeixas. Pouca maquiagem muito discreta. E pronto.

Saio e espero no local onde passariam para me buscar. Estou eu, maravilhosa, na rua, até que reconheço de longe o carro, que vem encostando, na minha direção. “Chegaram”, penso. Aí, resolvo bancar a engraçadinha: dou uma requebrada, coloco a mão direita na cintura, o dedo esquerdo na boca, faço biquinho e pisco os olhinhos. Sai de dentro do automóvel um cara que nunca vi mais gordo e me diz que me leva pra onde eu quiser. Minha alma se ausenta do meu corpo e volta a tempo de eu pedir desculpas por ter confundido os veículos absolutamente idênticos – e quantos outros não há?

Três minutos depois, entro no carro certo. A noite mal começou e eu já garantindo meu lugar de piada. Tudo bem, afinal, ainda me sinto ótima. Estacionamos, não muito perto, pela dificuldade de encontrar vagas. Começamos a andar, a chuva resolve voltar. Pras cucuias o capricho com os cabelos. Por fim, sentamos num bar e, como está abafado lá dentro, eu, já ligeiramente desgrenhada, tiro o casaco e penso que nem tudo está perdido: resta o meu decote.

Papo vai, papo vem, eu deixo o meu celular na mesa, porque espero uma ligação. Aliás, a ligação já está uma hora atrasada. Por fim, o telefone toca. Ufa! E eu achando que ia levar uma volta. Em cinco minutos ele chega, bêbado, sem a menor capacidade de distinguir o meu decote do avental do garçom. Em compensação, também não pode notar que estou descabelada, com a pouca maquiagem borrada e a calça manchada de molho madeira do filet mignon que devorei enquanto esperava por ele.

Na mesa ao lado, há um grupo de sete, a faixa etária média é de uns 45 anos, mas tem gente de seus 60. Avisto, depois, alguém em torno dos 30. Reparo que não param de me olhar. Será que isso se deve ao fato de eu estar desgrenhada e suja de molho madeira? Que nada. As mesas estão muito próximas, alguém segura no meu braço, sem que seja necessário levantar da cadeira, e me diz, olhando bem pro meu decote: “há, nessa mesa, três pessoas interessadas em você. Por que não nos dá seu telefone?”. Com uma olhada rápida, descubro de onde parte o interesse. Eu nem tinha reparado, mas há dois casais ali. Ou seja, o restante está me querendo.

Solto uma risadinha meio sem jeito, tentando ser simpática, mas não dou o número. Fico bastante impressionada com a ousadia. Perguntam meu nome, eu educadamente respondo, e me viro de novo para escutar o que o meu companheiro bêbado está dizendo, porque ele não pára mais de falar. Dali a três minutos, o pessoal da mesa ao lado me chama outra vez. Pedem licença ao cavalheiro embriagado que me acompanha e me entregam um papel, com quatro números de celular (pelo visto, um dos casais não é tão sério quanto imaginei) e quatro nomes: Sônia, Malu, Beth e Verônica. Junto, um convite para uma festa GLS num clube em Copacabana. Agradeço a gentileza e peço a conta.

O bêbado mora ali por perto, vai andando pra casa, e – que sorte! – eu nem preciso carregá-lo.

Apaixonados pelo consumo dos corpos

Faz um tempinho desde a última vez que me apaixonei. Tudo começou na quarta-feira seguinte ao dia de Santo Antônio, que no ano passado caiu num domingo. Não tenho muita intimidade com a tradição católica, o que é uma pena. Mas meu pai, que sabe da vida de todos os santos, não perdeu a oportunidade de me dar um pãozinho de Santo Antônio, para ver se o casamenteiro lá dava um jeito na minha solteirice.

Naquela quarta-feira, eu estava na sala de reuniões quando alguém chegou no escritório. Pela porta de vidro translúcido, vi que era um estranho, ninguém da equipe. Quer dizer, estranho para mim, porque vi também que ele começou a conversar com a minha chefa, deixando as cadeiras de lado e sentando em uma das mesas. Achei aquilo esquisito, tanta intimidade num ambiente tão formal, com alguém mais formal ainda.

Intrigada, continuei prestando atenção. Claro que não dava pra ouvir nada, nem pra ver direito, só uma silhueta. E nessa de observar a silhueta, achei interessante os gestos dele, a maneira de mexer as mãos, de virar o rosto, que era, até aquele momento, nada além de um borrão. Eu tenho mesmo dessas coisas. Com a minha miopia aprendi a não depender tanto da imagem em si, porque o movimento das pessoas pode ser uma boa pista, talvez ainda mais marcante, mais incontestável.

Restava saber como era o rosto, porque também sou fascinada por detalhes, e costumo me saber gostando por causa de sorrisos e de olhares. Antes que eu pudesse descobrir por conta própria, Naná, a moça que servia o café, veio da cozinha, passou pela “silhueta” e entrou com a bandeja na sala de reuniões. Olhei para ela e em dois segundos entendi que o estranho, e pelo visto não só a silhueta, tinha agradado a mais alguém. Naná chegou pertinho de mim, na hora que estava colocando café na minha xícara, e falou, baixinho, pra ninguém ouvir nem perceber: “Mona, que bofe…”.

Afinal, soube que o “bofe” era filho do dono da empresa. Acabara de chegar dos Estados Unidos, de Harvard, mais especificamente. Voltei para minha mesa, ele veio se apresentar. Foi só o cara virar as costas para eu escrever um e-mail: “Amiga, acho que o pãozinho de Santo Antônio funciona. Conheci o homem da minha vida: interessante, gato, usa o 212 da Carolina Herrera. Se veste bem, é descolado, estiloso, não é do tipo formal. O único problema é que tem uma pós-graduação em Harvard, o que agiganta as chances dele ser um grande pela-saco. Mas acho melhor não exigir muito do Santo, que, estou sentindo, resolveu caprichar…”.

Ele estava trabalhando em um projeto grande e, enquanto não tinha um escritório próprio, ficou usando o do pai. Daí, veio um convívio quase que diário, apesar de bem tímido. E eu, que tinha passado os seis meses anteriores de luto pelo término de uma relação falida, comemorei cada friozinho na barriga nas vezes que ele vinha na minha mesa puxar assunto. Indícios, finalmente, da minha libertação do passado recente.

Foram meses até que, por fim, marcamos um chope. Mas, com imprevistos e compromissos dos dois lados, só conseguimos nos encontrar depois de mais uns tantos meses, quando fui trabalhar em outro lugar e fiquei mais à vontade, porque sair com filho do chefão é muita furada. Com isso, se nos conhecemos naquela quarta-feira de junho, o primeiro encontro mesmo foi só no princípio de outubro. E eu já estava muito feliz, por tudo o que aquilo representava, pelos sopros de novidade no meu coraçãozinho cansado, pela camaradagem de Santo Antônio…

Com tantas expectativas, obviamente unilaterais, no dia do chope me vi diante de um desconhecido numa mesa de bar. O papo até que interessante, mas ele com um ar de superior que não se desfez um minuto sequer. Passada meia-hora, ele resolve me dizer que sou muito conservadora. A observação não tinha qualquer conexão com o assunto. E continuou: “Pelo seu modo de falar, de olhar, de segurar o copo, de se vestir, vejo que é conservadora”. Como não entendi de onde vinha a idéia, caí na besteira de perguntar. Ele, sem me responder, antes me testou: “Se não é conservadora, vamos pedir a conta e ir para um motel, agora!”.

Levei uns minutos para realizar as coisas. Nós não tínhamos sequer nos beijado. Aliás, mal tínhamos encostado um no outro, e mesmo assim só quando nos cumprimentamos. Fiquei olhando para aquele homem, que desde os últimos meses até aquele preciso momento tinha sido dono exclusivo dos meus suspiros. E pensei: “Diabos! Esse Santo Antonio me sacaneou!”.

Foi só falar o nome do coisa-ruim e uma Serpente que nem vi me empurrou uma maçã goela abaixo e acabou com todo o resto de paraíso. O candidato a homem da minha vida era um playboy carioca zona sul, riquinho, de família importante, talvez por isso mesmo idiota e arrogante. E agora ninguém mais desfaria a minha idéia de que o bofe tinha fimose, atrofia peniana e sofria de ejaculação precoce, e que tudo isso junto fez muito mal para as cabeças dele.

Ele ainda me perguntou por que recusei o convite. Disse só que não era a favor de sexo no primeiro encontro, e fomos embora. Ainda nos beijamos, acredite quem quiser, porque eu quase duvido que fiz isso. Talvez porque eu estivesse mesmo inconformada, tentando dar um voto de confiança pro desgraçado do Santo Antônio.

Hoje, acho que ele teve uma função importante na minha vida. Por me ajudar, indiretamente, a constatar que eu estava curada das minhas mazelas irremediáveis, já foi bom. Mas nunca mais nos vimos. Há dois meses, ele ainda me ligou para dizer que estava no Rio e para contar que tinha sido indicado para um cargo político. No início de fevereiro, ele foi empossado, e por conta disso ainda vi a cara dele, mas só nas fotos das matérias dos jornais. Ele continua bonito, mas, para mim, também continua com fimose, atrofia peniana e ejaculação precoce. Porque minha imaginação cria verdades de todos os tipos, mas as mais convincentes são aquelas ditas mais de uma vez…

Por conta das recentes matérias nos jornais, fiquei pensando na proposta dele e na razão da minha recusa. Não é simplesmente por conservadorismo que não concordo com sexo no primeiro encontro. É mais porque penso no sexo como uma brincadeira mágica, gostosa, leve, mas também tão intensa que não dá para brincar com qualquer um. Senão perde a graça, perde o gozo e, depois, nem adianta procurar. Porque não é que nem pique-esconde, e nem todo companheiro de brincadeira pergunta se “pode ir” depois de contar até três mil e seiscentos.

Acho que todo mundo deveria tentar criar relações minimamente significantes antes de querer fazer sexo. Porque aí sim há chances de existir a vontade de descoberta, o desejo de brincar de adivinhação. De cabra-cega e de pega-pega, com prazer de verdade. É só criança infeliz que, tendo mil brinquedos, vive triste e enjoada com todos, e fica sempre querendo ter mais. E como tem sempre alguém para dar tudo mesmo, nunca sobra nada para desejar, nem realidades fantásticas para criar.

Aprendemos certas lógicas utilitaristas desde pequenos. É por isso que sexo, nesse nosso mundinho consumista, parece que virou prestação de serviço. Eu prefiro continuar pensando nos meus modelos antigos de socialização de sonhos e de brincadeiras. Mas quem quiser seguir a linha de produção, que vá em frente, mas também aceite ser sempre trocado, porque defeito de fabricação e de uso inadequado é o que mais todo mundo tem.

Aliás, deixa eu parar por aqui. Acabo de me lembrar que tenho que ligar para o Procon…